quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Págª 107

A cegueira e a obstinação dos homens lembra-me às vezes a cegueira e a obstinação das varejeiras enfrenizadas contra as vidraças. Bastava um momento de serenidade, dez-réis de bom senso,e em qualquer fresta estava a liberdade. Mas o demónio da mosca, quanto mais a impossibilidade se lhe põe diante, mais teima. O resultado é cair morta no peitoril.

Miguel Torga
«Diário (1943)»

4 comentários:

Lídia Borges disse...

Miguel Torga faz-nos ver a necessidade de reflectir antes de agir, assim, desta forma tão clara que perece fácil apreender, contudo... o resto já sabemos.

L.B.

ADiniz disse...

Cegueira e a obstinação dois pontos que se esbarram nos espelhos que repulsa e se deixa atrair.
Assim o tempo se torna um relógio de corda

Maravilha é ler Torga.
Bjinhos

Luis Eme disse...

sim, identifica esta gente que finje governar-nos...

beijinho M. Maria Maio

João P. disse...

Maria:

Eh lá!!!

Não deixando de ser verdade, doí ler.
É que eu nunca aprendo

Beijo

João P.