sábado, 9 de abril de 2011

Leituras

Das coisas
que fiz a metro
todos saberão
quantos quilômetros são

Aqueles em centímetros
sentimentos mínimos
ímpetos infinitos não

Paulo Leminski

9 comentários:

Lídia Borges disse...

Pouco a pouco se desenham os caminho.

Muito boa, esta leitura.

Um beijo

Licínia Quitério disse...

Poucos sabem ler as pequenas verdadeiras coisas.

Bom fim de semana, Maria.

Beijos.

mfc disse...

Tudo.... mas tudo faz parte de nós!

Constantino, Guardador de Vacas disse...

Olha que bonito.

António disse...

As coisas a metro são feitas de cor e à pressa.
A proximidade ou a distância medem a intensidade da vida.
Beijos e um bom fim de semana.
António

Rosa dos Ventos disse...

Há metros e metros, centímetros e centímetros... :-))
Lindo o poema!

Abraço

heretico disse...

minimas coisas que permanecem. e confortam...

muito bonito

beijos

Mar Arável disse...

Repito

Vagarosos instantes

João P. disse...

Maria P:

Giríssimo! bem achado

beijo

João P.