sábado, 18 de junho de 2011

Leituras

Estrada de Fogo

Pedra a pedra a estrada antiga
sobe a colina, passa diante
de musgosos muros e desce
para nenhum sopé;

encurva, na abstracta encruzilhada;
apaga-se, na realidade. Morre
como o rastilho do fogo,
que de campo em campo aberto

seguia, e ao bater na mágica cancela
dobrava a chama, para uma respiração,
e deixava o caminho do portal
incólume e iniciado.

Fiama Hasse Pais Brandão

4 comentários:

Constantino, Guardador de Vacas disse...

Grande poema da Fiama.

mfc disse...

Assim são os caminhos que nos levam onde queremos!

Alexandra disse...

Olá de novo Amiga.
Disseste-me para voltar cá se abri-se uma nova janela... cá estou!

Continuas 5 estrelas!
Esta leitura é linda ou não fosse ela desta magnífica escritora!

(S)audades e Beijinho(S)

João P. disse...

Olá Maria

Beijinhos. Passei por aqui

João