sexta-feira, 21 de abril de 2006

No baloiçar da cadeira...

Da Alpista e do Rato

A alpista é um bem, a dividir
por alguns seres, alados,
cromáticos cantores.

Parcimoniosamente, calcula-se,
por cada bico, e as asas
alvoroçadas fogem e aproximam-se.
Num balde guardade, repousa,
dia a dia, como um tesouro.

Mas se outro ser esquivo, pequeno,
mergulha cobiçoso nesse magma,
sofre, é sufocado pela morte
vil, no meio da fartura,
como aconteceu na noite deste rato.

Fiama Hasse Pais Brandão