quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Palavras Roubadas...

Encontra-me na volta do tempo
enroscada pelo frio e pelo vento
a chuva a bater-me por dentro
e eu à tua espera, para o momento

Encontra-me uma vez que seja
na espuma da onda que se beija
na boca ardente que se deseja
e na memória, para que se veja

Encontra-me só mais uma vez
na volta do tempo que se desfez
no abraço que se deu mais uma vez
e na despedida, que em nós se fez

Encontra-me por fim em cada dia
na noite no vento que assobia
na rocha no mar em que perdia
toda a saudade que em nós cabia.

Encontra-me...

Maria
O Cheiro da Ilha

8 comentários:

Maria disse...

:)))
A propósito, temos de nos encontrar...

Beijinho, minha Maria!

Luis Eme disse...

muito bem "roubadas" e encontradas...

beijinhos para as duas "Marias", de Maio e do Oeste...

Lídia Borges disse...

Lindo este poema da Maria. Não sei se melhor a estrutura externa do poema, cheia de ritmo se o sentimento implícito na estrutura interna.
Mas isso pouco importa, o que vale mesmo é o prazer de o ler.

Um beijo para si. Outro para a Maria.

Pitanga Doce disse...

Ai essas Marias quando se encontram! Uma nos dá fotos magníficas. Outra, poemas iguais!
Bom poder ter as duas!

Beijos meninas Marias.

João P. disse...

Subscrevo a opinião da Pitanga!

beijo

João

Eduardo Aleixo disse...

É um belo poema, o da tua amiga, como aliás são os que escreve.

António disse...

Há palavras que vale a pena roubar, pelo seu significado.
Bons encontros!

Maria P. disse...

:)
A minha Maria é única!
Beijinhos!

A todos vós um beijinho também!:)